Comentários sobre questão de Botânica - Angiospermas
questões de vestibulares
|

Comentários sobre a questão de Botânica - Angiospermas

 




pergunta:(Puccamp)Instruções: Leia atentamente o texto adiante para responder às questões a seguir.

MONTEIRO LOBATO (1882-1947)

1. As obras "infantis" de Monteiro Lobato ajudaram muito na formação de milhares de pequenos brasileiros que, quando marmanjos, passariam a citar de boca cheia, e às vezes sem confessar, uma porção de coisas que aprenderam com as personagens do Sítio do Picapau Amarelo, inesquecíveis companheiras de aventuras por vários tempos e espaços. Quanto da história e da mitologia grega não se aprende ao lado da boneca Emília, que tagarela pedantemente com Péricles ou com Hércules? Na "História do mundo para as crianças", vai-se da origem do universo (sabiamente explicada pela vovó Benta como hipótese), passando pelo uso do fogo, pelos hieróglifos, pelos assírios e babilônios, pelo império romano, pelos tempos da cavalaria, pelas revoluções do século XVIII, até à chamada "era dos milagres", que é como Lobato batizou a vida com luz elétrica, telefone, cinema - e com o manejo atômico que deu na tragédia de Hiroshima, epílogo também do livro, que termina com esta frase da vovó sabida: "O tempo, só o tempo pode curar o grande defeito da humanidade - que é ser muito criança ainda". Dona Benta (permito-me eu), o homem continua brincando, e seus brinquedos são cada vez mais fantásticos e perigosos...
2. Sempre foi intenção de Lobato ensinar sem ser chato, opinar sem ser pretensioso. Se Dona Benta é uma velha de óculos e muita leitura, Emília é uma abelhuda crítica e irreverente. Em "Emília no país da Gramática", onde não faltam lições de fonética, de formação e de classes de palavras, há esta frase da boneca que muito lingüista moderno poderia adotar como lema, fazendo coro com os alunos: "- Que peste é a tal Gramática!". Já depois de ler a "Aritmética da Emília", o jovem leitor lamentará que Lobato não tenha entrado na Álgebra e na Geometria, nas expressões, nas equações de todos os graus, nas seqüências e nas funções - para que o escritor lhe apresentasse alguns dos "bichos de sete cabeças" da Matemática com a mesma graça e eficácia com que iniciara os meninotes nas frações e nos números complexos. Também um iniciante na Física não pode se queixar, lendo a "História das invenções": são sugestivas as explicações sobre a operação das alavancas (que permitiu ao homem a construção das pirâmides), das roldanas, das dragas (com as quais se escavou o Canal do Panamá), dos guindastes, dos moinhos... Nesse mesmo livro, qualquer um admirará a facilidade com que se explica a formação e as propriedades do vidro, do carvão, do petróleo... Quanto ao petróleo, não custa lembrar que a campanha nacionalista de Lobato, que incluía a exploração estatal do "ouro negro" (como também a do ferro), custou-lhe seis meses de cadeia, em 1941, num período especialmente sombrio da história do nosso país e trágico da história universal. Em "O poço do Visconde", jorra o precioso óleo em pleno sítio, e não falta a chegada do técnico norte-americano para tentar tomar conta da situação e acabar escorraçado pelos indignados habitantes...
3. Em "A reforma da natureza", as experiências realizadas por Emília e pelo Visconde geram monstros: 1alteram o funcionamento de "Dona Pituitária" em insetos, que assim adquirem novas formas, proporções e propriedades, espantando os vizinhos e provocando em D. Benta uma verdadeira manifestação ecológica: "- Mas que absurdo, Emília, reformar a natureza! Quem somos nós para corrigir qualquer coisa que existe? E quando reformamos qualquer coisa, aparecem logo muitas conseqüências 2que não previmos. Tudo quanto existe levou milhões de anos a formar-se, a adaptar-se; e se está no ponto em que está, existem mil razões para isso." Que diria hoje D. Benta acerca da clonagem e dos transgênicos?
4. As adaptações que faz Lobato de obras ficcionais ou a recuperação de fatos históricos são também notáveis: seu "D. Quixote" é alegre e comovente, seu "Hans Staden" introduz o leitor num capítulo importante de nossa história colonial, nem falta a apresentação de personagens como Marco Polo, Bolívar e Lincoln, conhecido por suas frases lapidares. O que espanta nessa pluralidade é que nada surge como aleatório, tudo parece fazer parte de uma didática natural, proveitosa e sempre polemizada pela palpiteira Emília.
5. O leitor que percorra essa obra notará, em muitos pontos, o quanto ela tem de orgânico. Se num livro o autor se referia, por exemplo à máquina a vapor, em outro esse invento vem associado ao carvão-de-pedra que, "mais o ferro, foi o que deu a vitória aos ingleses. Sem isso, a Inglaterra seria um quase nada, como o fora antes da invenção de Watt".
6. Ao instalar suas criaturas numa base rural, dispondo-se a dali falar de tudo e a contar qualquer história (numa linguagem ao mesmo tempo exata, imaginativa e fluente, sem concessões à famigerada "literatura infantil"), Lobato parece ter querido reunir a beleza natural do primitivo ao encantamento pelo enciclopédico. De certa forma, reuniu a seu modo as realidades de um país ainda arcaico e já moderno, contradição nossa até hoje. Soube admirar tanto a mangueira frondosa quanto a técnica fecunda; se vivesse nos dias de hoje, provavelmente estaria batalhando pelo desenvolvimento sustentável.
7. Sempre haverá a curiosidade nossa de saber o que Emília pensaria hoje da globalização, da difusão de novas seitas, dos conflitos religiosos, das ações terroristas... . Se nada mais sobrasse da obra de Lobato, essa vivíssima boneca de pano expressaria sempre um fundamento de malandragem, humor e vivacidade crítica - combinação que, dizem alguns, resume algo de nosso "temperamento", forjado no caldeirão de raças e culturas de que procedemos. (Eurípides de Souza e Passos, inédito)
No parágrafo 6 é citada uma mangueira frondosa. Assinale a alternativa da tabela que contém características corretas da classe à qual essa árvore pertence.
frondosa


resposta:E


Insira seu comentário:
(Sujeito a Moderação)


comentário:


selecione o que melhor te descreve



morfologia sistema circulatorio arterias, veias e coração