Banco de dados de questões do vestibular Ufrn-2002 - perguntas e respostas comentadas
questões de vestibulares
|

 

Questões Ufrn-2002

REF. Pergunta/Resposta
origem:Ufrn
tópico:
Geral

sub-grupo:Antiguidade Oriental

pergunta:A religião estava presente em todos os aspectos da vida no Antigo Egito. A medicina, inclusive, era impregnada de elementos mágicos e religiosos. A relação entre religião e medicina no Antigo Egito era evidente na medida em que
a) as práticas médicas estavam voltadas apenas para o tratamento dos faraós, cuja imagem era associada aos deuses.
b) as técnicas desenvolvidas na medicina foram estimuladas pela necessidade de preservar o corpo para a vida após a morte.
c) os médicos, recrutados entre as mais altas camadas sociais, acumulavam também a função de promover o culto religioso.
d) os médicos queriam prolongar a existência terrena, estimulados pelas crenças religiosas que negavam a imortalidade da alma.



resposta:
[B]

origem:Ufrn
tópico:
Geral

sub-grupo:Baixa Idade Média

pergunta:A catedral de Chartres, reproduzida na figura a seguir, é representativa da arquitetura gótica, que predominou na Baixa Idade Média.

Esse estilo arquitetônico está ligado às circunstâncias históricas e às concepções religiosas do final da Idade Média. Nesse sentido, o estilo gótico relaciona-se
a) à prosperidade da economia urbana e às aspirações espirituais orientadas para Deus e os céus.
b) à estabilidade da economia rural e ao culto doméstico, que era presidido pelo chefe da família.
c) ao desenvolvimento das comunidades de monges e celebrações coletivas, com ênfase no modo de vida simples.
d) ao progresso da agricultura feudal e à religiosidade individualista, que estimulava a prática da solidão.


resposta:
[A]

origem:Ufrn
tópico:
Geral

sub-grupo:Baixa Idade Média

pergunta:O crescimento das cidades é um fenômeno da Europa Ocidental a partir do século XI. Tratando sobre a questão, Pierre Vilar afirma: As cidades dependiam dos senhores. Mas elas foram mais fortes que as aldeias para discutir com seus amos, rebelarem-se, obter ou impor "cartas de franquias". Coletivamente, continuavam vinculadas ao sistema feudal (...). Mas em seu território, e sobretudo no recinto dentro da muralha, os habitantes eram livres e participavam da organização coletiva. VILAR, Pierre. "Do feudalismo ao capitalismo". 4. ed. São Paulo: Contexto, 1992. p. 39. Refletindo sobre essa afirmação, pode-se concluir que
a) os moradores das cidades gozavam de significativa autonomia, mesmo submetidos à autoridade dos senhores, que lhes cobravam taxas.
b) os camponeses das aldeias medievais impuseram aos senhores feudais um documento que garantia autonomia política à comunidade.
c) os habitantes das cidades libertaram-se de inúmeras obrigações, entre elas a de participar das corporações de ofício.
d) as populações urbanas eram isoladas por muralhas que as impediam de estabelecer relações socioeconômicas com o mundo feudal.



resposta:
[A]

origem:Ufrn
tópico:
Geral

sub-grupo:Alta Idade Média

pergunta:No ano de 786, Carlos Magno afirmou: A nossa função é, segundo o auxílio da divina piedade, (...) defender com as armas e em todas as partes a Santa Igreja de Cristo dos ataques dos pagãos e da devastação dos infiéis. PINSKY, Jaime (Org.). "O modo de produção feudal". 2. ed. São Paulo: Global, 1982. p. 101. O fragmento acima expressa a orientação política do Império Carolíngio no governo de Carlos Magno. O objetivo dessa política pode ser definido como um(a)
a) esforço para estabelecer uma aliança entre os carolíngios e a Igreja bizantina para fazer frente ao crescente poderio papal.
b) intenção de anexar a Península Ibérica aos domínios do papado, com a finalidade de impedir o avanço árabe.
c) desejo de subordinar os domínios bizantinos à dinastia carolíngia, no intuito de implantar uma teocracia centralizada no Imperador.
d) tentativa de restaurar o Império Romano, com vistas a promover a união da cristandade da Europa Ocidental.



resposta:
[D]

origem:Ufrn
tópico:
Arte

sub-grupo:

pergunta:Em todas as sociedades, a arte exprime as concepções que predominam em diferentes momentos históricos. As figuras a seguir exemplificam dois momentos da sociedade ocidental: o nascimento da modernidade, representada na obra renascentista (figura I), e a crise dessa modernidade, a partir do início do século XX, expressa na pintura de André Breton (figura II).

Que características dessas figuras as identificam com os dois momentos da sociedade ocidental acima referidos?
a) Figura I: Integração racional dos elementos, sugerindo ordem e harmonia;Figura II: Desconstrução da realidade, expressando perplexidades e incertezas.
b) Figura I: Instabilidade e movimento, refletindo as rápidas mudanças sociais;Figura II: Harmonia e ordem dos elementos, copiando a realidade natural.
c) Figura I: Desconstrução da ordem racional, expressando amargura e indignação;Figura II: Equilíbrio e harmonia, denunciando os convencionalismos estéticos.
d) Figura I: Equilíbrio e ordem, espelhando a desagregação do racionalismo humanista;Figura II: Leveza dos objetos, simbolizando pureza e elevação espiritual.


resposta:
[A]

origem:Ufrn
tópico:
America

sub-grupo:Período Colonial

pergunta:Conforme assegura a historiadora Nancy Priscilla Naro, O processo de formação do Estado norte-americano veio, desde cedo, acompanhado por valores democráticos que privilegiavam a iniciativa privada sem a intervenção do Estado, apenas admitida em casos excepcionais, como a guerra, a depressão econômica e outras situações entendidas como "ameaçadoras" ao sistema de produção capitalista. NARO, Nancy P. "A formação dos Estados Unidos". 3ed. São Paulo: Atual, 1987. p. 5. O fragmento acima refere-se à colonização e ao processo de independência da América inglesa. Que comparação pode ser estabelecida entre a América inglesa e a América espanhola, no que diz respeito à colonização e à independência?
a) A colonização inglesa favoreceu a prática do auto-governo, e a colonização espanhola permitiu a formação de governos autoritários.
b) A colonização inglesa propiciou a instituição de um governo centralizador, e a colonização espanhola possibilitou a instalação de regimes federativos.
c) A colonização inglesa originou governos instáveis, e a colonização espanhola estimulou a formação de monarquias despóticas.
d) A colonização inglesa permitiu a formação de uma sociedade igualitária, e a colonização espanhola privilegiou as classes camponesas.



resposta:
[A]

origem:Ufrn
tópico:
Historia

sub-grupo:Guerra Fria

pergunta:Eric Hobsbawm, historiador inglês, afirma que ... os governos das duas superpotências aceitaram a distribuição global de forças no fim da Segunda Guerra Mundial (...). A URSS controlava uma parte do globo (...). Os EUA exerciam controle e predominância sobre o resto do mundo capitalista, além do hemisfério norte e oceanos, assumindo o que restava da velha hegemonia imperial das antigas potências coloniais. (...) Na Europa, linhas de demarcação foram traçadas (...). Havia indefinições, sobretudo acerca da Alemanha e da Áustria, as quais foram solucionadas pela divisão da Alemanha segundo as linhas das forças de ocupação orientais e ocidentais e a retirada de todos os ex-beligerantes da Áustria. HOBSBAWM, Eric. "A era dos extremos: o breve século XX (1914-1991)". São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 224. No texto acima, Hobsbawm analisa acontecimentos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial. É possível afirmar que, na Europa, com o fim da Segunda Guerra Mundial,
a) soviéticos e americanos alteraram fronteiras geográficas, demarcando seus blocos de influência, sem considerar particularidades nacionais.
b) Roosevelt, Churchill e Stalin assinaram acordos internacionais, restringindo a produção de armas nucleares a determinados países.
c) os líderes das grandes nações dividiram a Alemanha nazista e a Itália fascista, desrespeitando o princípio da autonomia dos povos.
d) americanos e soviéticos repartiram a Alemanha para evitar a propagação de regimes autoritários, almejando garantir a democracia no planeta.



resposta:
[A]

origem:Ufrn
tópico:
Historia

sub-grupo:

pergunta:O final do século XX assistiu à busca da independência, por parte de diferentes grupos étnicos. O fragmento a seguir trata da situação específica da Iugoslávia: Em 1990, os comunistas iugoslavos foram derrotados nas eleições gerais em quatro repúblicas da Iugoslávia, mas venceram na Sérvia (a mais poderosa delas) e em Montenegro, mantendo o controle político federal. Tal situação estimulou as lutas étnico-políticas e a ambição de independência das demais repúblicas (Eslovênia, Croácia, Bósnia-Herzegovina e Macedônia), desencadeando a guerra civil. VICENTINO, Cláudio; DORIGO, Gianpaolo. "História para o ensino médio". São Paulo: Scipione, 2001. p. 626. O processo vivido pela Iugoslávia é comum a outros países e tem como característica marcante:
a) o desaparecimento das particularidades étnicas, em função da homogeneidade gerada pela unificação econômica dos países.
b) o ressurgimento das identidades nacionais, as quais estimulam a luta dos povos pela autonomia e a busca da definição de seus territórios.
c) a fusão política entre várias nações da Europa, que passaram a ser geridas por um único governo.
d) a emergência do princípio da liberdade de mercado, que inspira os povos a se unirem em nações.



resposta:
[B]

origem:Ufrn
tópico:
Brasil

sub-grupo:Sistema Colonial Brasileiro

pergunta:Os documentos a seguir apresentam aspectos ligados à condição da mulher no Brasil colonial: DOCUMENTO I Mulheres sem ter, às vezes, o que fazer. A não ser dar ordens estridentes aos escravos; ou brincar com papagaios, sagüis, mulequinhos. Outras, porém, preparavam doces finos para o marido; cuidavam dos filhos. FREYRE, Gilberto. "Casa-grande e senzala". 25. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1987. p. 349. DOCUMENTO II

A análise desses dois documentos permite afirmar que, no período colonial,
a) as mulheres brancas administravam os negócios da família; as mulheres negras dedicavam-se aos cuidados do lar.
b) o comércio era uma atividade restrita às mulheres brancas; as mulheres negras dedicavam-se à agricultura e ao artesanato.
c) as atividades das mulheres brancas eram exercidas no interior da casa; as mulheres negras dedicavam-se também a atividades no espaço público.
d) o poder de comando, na família branca, era dividido igualmente entre o homem e a mulher; na família escrava, a mulher ocupava um papel proeminente.


resposta:
[C]

origem:Ufrn
tópico:
Brasil

sub-grupo:Sistema Colonial Brasileiro

pergunta:A partir do século XVII, a exploração portuguesa no território brasileiro ultrapassou o litoral, avançando pelo interior, com o movimento das Bandeiras, representado no mapa a seguir.

FONTE: COTRIM, Gilberto. "História e consciência do Brasil". São Paulo: Saraiva, 1997. p. 105. Analisando o mapa acima, é correto afirmar que as Bandeiras
a) forçaram a dilatação da linha de Tordesilhas, favorecendo o império espanhol.
b) dirigiram-se aos sertões procurando metais preciosos e criando aldeamentos indígenas.
c) detiveram-se nas margens dos principais rios situados no território português.
d) forneceram elementos para um primeiro delineamento das fronteiras brasileiras atuais.


resposta:
[D]

origem:Ufrn
tópico:
Brasil

sub-grupo:Primeiro Reinado

pergunta:Em 1824, D. Pedro I assim se pronunciou: Chegou o momento em que o véu da impostura, com que os demagogos, inimigos do Império e da nossa felicidade, vos têm até agora fascinado, vai cair por terra. Para iludirem vossa boa-fé, inflamarem vossa imaginação a poderem arrastar-vos cegamente a sistemas políticos reprovados pelas lições da experiência, absolutamente incompatíveis com a vossa situação, e em que só eles ganhavam, separando-vos da união geral de todas as províncias, indispensável para a consolidação e segurança da nossa Independência, fizeram-vos crer que uma facção vendida a Portugal dirigia as operações políticas deste Império para submetê-lo ao antigo domínio dos Portugueses e ao despotismo do seu governo. Apud COSTA, F. A. Pereira da. "Anais pernambucanos". 2. ed. Recife: FUNDARPE, 1983. v.9. p.52-53. No discurso acima, o imperador D. Pedro I pronunciou-se sobre a Confederação do Equador. É correto afirmar que essa Confederação
a) opunha-se à pretensão de D. Pedro I de unir as coroas portuguesa e brasileira, o que representaria a recolonização do Brasil.
b) desejava instalar uma monarquia parlamentarista, estabelecendo limites aos poderes absolutistas de D. Pedro I.
c) posicionava-se contra os privilégios portugueses, incluídos por D. Pedro I no projeto constitucional de 1823.
d) pretendia implantar uma República independente no Nordeste, contrariando o projeto de unidade nacional centrado em D. Pedro I.



resposta:
[D]

origem:Ufrn
tópico:
Brasil

sub-grupo:Segundo Reinado

pergunta:A estabilidade do Império brasileiro após 1850 favoreceu o crescimento e a prosperidade econômica. Nesse período, os empreendimentos econômicos mais arrojados partiram do barão de Mauá, que construiu ferrovias, criou bancos, investiu na navegação fluvial. Contudo, as iniciativas de Mauá na área industrial encontraram fortes obstáculos, a saber:
a) a tarifa alfandegária benéfica à produção nacional e o declínio da economia açucareira da região Nordeste.
b) a carência de mão-de-obra assalariada e a concorrência das manufaturas inglesas, favorecidas pelas taxas de importação.
c) a expansão da cafeicultura no Oeste paulista e o início da organização do movimento operário.
d) o alto volume de capital imobilizado no tráfico negreiro e a inexistência de um mercado interno.



resposta:
[B]

 


Próxima Página »

Página 1 de 2