Banco de dados de questões do vestibular Ufmg
questões de vestibulares
|
 

Questões Ufmg

REF. Pergunta/Resposta
origem:Ufmg1995
tópico:
Gramatica

sub-grupo:Vocabulário

pergunta:Em todas as alternativas, o emprego dos termos destacados está corretamente identificado, EXCETO em

a) ENTRETANTO (...) esse poder é menos fácil de visualizar. (oposição)
b) DAÍ raciocinar-se que o preconceito racial (...) tem origem e funcionalidade políticas. (conclusão)
c) ...para ficarmos SOMENTE em um dos muitos que o espírito humano infelizmente ainda abriga... (inclusão)
d) ...mesmo que seja APENAS um interesse sem conteúdo material... (limitação)
e) ENTÃO não é apolítico, palavra que indica ausência de Política. (dedução)



resposta:
[C]

origem:Ufmg1995
tópico:
Gramatica

sub-grupo:Vocabulário

pergunta:Em todas as alternativas, as palavras destacadas estão corretamente interpretadas, EXCETO em

a) A existência de preconceitos não é natural. O homem não nasce com preconceitos, ele OS aprende socialmente. (os = os preconceitos )
b) o homem não nasce com preconceitos, ele os aprende socialmente. Ao aprendê-los, é claro que SEU comportamento está sendo influenciado. (seu = do homem)
c) Com algum esforço, podemos perceber em que medida estamos submetidos e podemos atuar (politicamente, é óbvio) para procurar alterar a situação, se ELA contraria o nosso interesse... (ela = a situação)
d) ...ou então somos comodistas, não achando que as coisas estão tão ruins assim, para que possamos fazer algo para mudá-LAS. (las = as coisas)
e) Quando alguém diz (...) que "está em outra" (...) está, naturalmente, exercendo um direito que LHE é facultado pelo sistema... (lhe = um direito)



resposta:
[E]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:Em todas as alternativas, está presente a relação de idéias identificada entre parênteses, EXCETO em
a) Quando nos dizem que não nos é permitido (...) passar dos 17 anos sem nos alistarmos, é evidente que um poder se exerce sobre nós...
(temporalidade)

b) Entretanto, ao pensarmos ou agirmos de determinadas maneiras que não raro julgamos naturais ou espontâneas, esse poder é menos fácil de visualizar.
(conformidade)

c) Quando sonhamos "ficar sem fazer nada " no futuro e apenas gozar a vida, não estamos pensando em Política.
(adição)

d) Contudo, se meditarmos um pouco, veremos que, para conseguirmos juntar nosso pé-de-meia, é necessário uma porção de coisas...
(finalidade)

e) Se o processo político (...) resulta em que não há oportunidade de educação para pessoas como nós, é evidente que esse processo nos prejudica...
(condicionalidade)



resposta:
[B]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:"A existência de preconceitos não é natural. O homem não nasce com preconceitos, ele os aprende socialmente".

A alternativa que MELHOR representa as relações entre as idéias nessa passagem é
a) A existência de preconceitos não é natural, mas, se o homem não nasce com preconceitos, ele os aprende socialmente.
b) A existência de preconceitos não é natural, pois, quando o homem não nasce com preconceitos, ele os aprende socialmente.
c) A existência de preconceitos não é natural, uma vez que o homem não nasce com preconceitos, mas os aprende socialmente.
d) Como a existência de preconceitos não é natural, o homem não nasce com preconceitos porque ele os aprende socialmente.
e) Já que a existência de preconceitos não é natural, o homem não nasce com preconceitos, à medida que os aprende socialmente.



resposta:
[C]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:Todas as alternativas apresentam interpretações possíveis para a peça "Calabar", de Chico Buarque e Ruy Guerra, EXCETO
a) A traição de Calabar desmascara a hipocrisia da sociedade.
b) A traição de Calabar possui uma conotação política positiva.
c) A traição é um conceito relativizado pelas ações e falas das personagens.
d) Calabar trai Bárbara por preferir Anna de Amsterdã.
e) Calabar trai Portugal por preferir a Holanda.



resposta:
[D]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:Leia o trecho seguinte, da peça "Calabar" de Chico Buarque e Ruy Guerra:

HOLANDÊS: Ah, foi bom falar nisso. Eu tenho aqui comigo algumas ações da Companhia. Se Vossa Excelência se interessar..

MATHIAS: Como disse?

HOLANDÊS: Cada ação está cotada a 3 mil florins. Eu posso lhe confidenciar que a Companhia pretende investir 2 milhões e meio na conquista do Brasil, sendo que a previsão de retirada é da ordem dos 8 milhões de florins anuais. Logo, fazendo os cálculos rapidamente...

MATHIAS: Vossa Excelência tem a noção do que está me propondo?

HOLANDÊS: Perfeitamente. Vossa Excelência estará jogando no par e no ímpar, no vermelho e no preto ao mesmo tempo. Vitorioso na guerra, será um herói com déficit. Em caso de derrota, ficará simplesmente milionário.

MATHIAS: Saiba Vossa Excelência que eu sou um general a serviço da coroa de Portugal e Castela !

HOLANDÊS: Sim, mas não importa...

Nesse trecho, a fala do HOLANDÊS
a) apresenta uma argumentação ambígua, que oscila entre catolicismo e protestantismo.
b) contém uma lição de moral favorável às práticas econômicas holandesas.
c) é uma tentativa de induzir Mathias a marchar com as tropas holandesas.
d) procura convencer Mathias de que a religião dos holandeses é mais liberal.
e) reflete os interesses do capitalismo, que são colocados acima dos valores morais.



resposta:
[E]

origem:Ufmg1995
tópico:
Literatura

sub-grupo:Modernismo

pergunta:Todas as alternativas contêm trechos do ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA, de Cecília Meireles, que tematizam a importância da palavra como estruturadora da realidade, EXCETO:

a) Ai, palavras, ai, palavras,
que estranha potência, a vossa!
Todo o sentido da vida
principia à vossa porta;
o mel do amor cristaliza
seu perfume em vossa rosa;
sois o sonho e sois a audácia,
calúnia, fúria, derrota...

b) Como pavões presunçosos,
suas letras se perfilam.
Cada recurvo penacho
é um erro de ortografia.
Pena que assim se retorce
deixa a verdade torcida.

c) Liberdade - essa palavra
que o sonho humano alimenta:
que não há ninguém que explique,
e ninguém que não entenda!

d) Morre a tinta das sentenças
e o sangue dos enforcados...
- liras, espadas e cruzes
pura cinza agora são.
Na mesma cova, as palavras,
o secreto pensamento,
as coroas e os machados
mentira e verdade estão.

e) Pelas gretas das janelas,
pelas frestas das esteiras,
agudas setas atiram
a inveja e a maledicência.
Palavras conjeturadas
oscilam no ar de surpresas,
como peludas aranhas
na gosma das teias densas,
rápidas e envenenadas,
engenhosas, sorrateiras.



resposta:
[C]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:Leia atentamente a seguinte passagem, retirada de ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA, de Cecília Meireles.

A luz é sem data.
Nomes aparecem
nas fitas que esvoaçam:
Marília, Glauceste,
Dirceu, Nise, Anarda ...
- O bosque estremece:
nos arroios, claras ovelhinhas bebem.
Sanfonas e flautas
suspiros repetem.

O país da Arcádia,
súbito, escurece,
em nuvem de lágrimas.
Acabou-se a alegre
pastoral dourada:
pelas nuvens baixas,
a tormenta cresce.

Todas as alternativas contêm interpretações corretas desse trecho de ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA de Cecília Meireles, EXCETO
a) A expressão PASTORAL DOURADA funde o ideal árcade com um dado da realidade local.
b) A segunda estrofe confere uma dimensão histórica aos elementos literários da primeira.
c) A segunda estrofe metaforiza o desencadear-se da Inconfidência Mineira.
d) Os nomes próprios citados fazem parte das convenções do Arcadismo.
e) O universo idealizado da primeira estrofe é uma invenção dos poetas inconfidentes.



resposta:
[E]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:Leia atentamente a seguinte passagem retirada do prefácio "Como escrevi o ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA", de Cecília Meireles.

"A obra de arte não é feita de tudo - mas apenas de algumas coisas essenciais. A busca desse essencial expressivo é que constitui o trabalho do artista."

A alternativa que apresenta um fragmento extraído de MEMÓRIAS DO CÁRCERE, de Graciliano Ramos, com idéias semelhantes às de Cecília Meireles é
a) A minha decisão de traçar um diário encolhia-se, bambeava, sem nenhum estímulo fora ou dentro. Os fatos, repisados, banalizavam-se. Apenas quatro ou cinco sobressaíam, mas, ao dar-lhes forma, vi-os reduzidos, insignificantes.
b) Na verdade o tempo não era o que havia sido: tornava-se confuso e lento, cheio de soluções de continuidade, e nesses hiatos vertiginosos perdia-me, escorregava, os olhos turvos, numa sensação de queda ou vôo.
c) Omitirei acontecimentos essenciais ou mencioná-los-ei de relance, como se os enxergasse pelos vidros pequenos de um binóculo; ampliarei insignificâncias, repeti-las-ei até cansar, se isto me parecer conveniente.
d) Sei lá o que se passava no meu interior? Difícil sermos imparciais em casos desse gênero; naturalmente propendemos a justificar-nos, e é o exame do procedimento alheio que às vezes revela as nossas misérias íntimas, nos faz querer afastar-nos de nós mesmos, desgostosos, nos incita à correção aparente.
e) Tentava expressar-me direito, não me custava fingir calma. Aspecto normal, a voz ordinária; convencia-me de que nas minhas palavras não havia incongruências e esta certeza me parecia insensata.



resposta:
[C]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:Todas as alternativas apresentam afirmações corretas sobre o coronel Tibério Vacariano, de INCIDENTE EM ANTARES, de Erico Veríssimo, EXCETO
a) A legalidade constitucional não era legítima diante de seus próprios interesses.
b) A personagem representa os setores antigetulistas que viam em Goulart o continuador de Vargas.
c) A personagem revela-se favorável a um golpe de estado como solução para a crise criada pela renúncia de Jânio Quadros.
d) A sua amizade com Dona Quita representa a tradicional aliança entre PSD e UDN.
e) O seu comportamento representa o fisiologismo político das elites brasileiras.



resposta:
[D]

origem:Ufmg1995
tópico:
Interpretacao

sub-grupo:

pergunta:Pode-se afirmar que tanto a personagem João Paz, de INCIDENTE EM ANTARES, de Erico Veríssimo, quanto o prisioneiro Graciliano Ramos, em MEMÓRIAS DO CÁRCERE,
a) foram presos arbitrariamente, sem as formalidades legais de rotina.
b) foram presos sob a acusação de estarem treinando um bando de guerrilheiros esquerdistas.
c) receberam pauladas no corpo todo e tiveram um de seus braços quebrado.
d) sofreram socos e pontapés no rosto, na boca do estômago e nos testículos.
e) tiveram manchas na cara e nas mãos produzidas por pontas de cigarro durante interrogatórios.



resposta:
[A]

origem:Ufmg1995
tópico:
comunicacao

sub-grupo:

pergunta:Dos trechos que seguem, todos eles retirados do romance INCIDENTE EM ANTARES de Érico Veríssimo, a alternativa em que fica evidente a metalinguagem é
a) "- Credo quia absurdum est - intervém o Prof. Libindo, num tom de voz em que se pode ver o tipo itálico da citação latina."
b) "E o padre continuava a gritar: 'É o Juízo Final! Arrependei-vos enquanto é tempo! Orai! Orai! Orai!"
c) "O Cel. Vacariano remexe-se na sua poltrona procurando uma posição ao agrado de sua próstata."
d) "- Qual democracia! - replicou o Cel. Vacariano. - Vivemos numa cafajestocracia, isso é que é."
e) "- Usemos de todas as nossas armas. Primeiro, a nossa condição de mortos. Sejamos mais vivos que os vivos."



resposta:
[A]